ARRANQUE DA EXPLORAÇÃO EM MONCORVO

Na concessão de Ferro de Moncorvo foram identificadas 558 milhões de toneladas de reservas provadas e prováveis e 254 milhões de toneladas de reservas possíveis. A MTI obteve já, em ensaios laboratoriais e de bancada, concentrados com 67.8% de Ferro.

Prevê-se o início da produção 2 anos após o licenciamento da exploração da mina. Numa primeira etapa considera-se a criação de mais de 200 postos de trabalho directos, a que acrescerão mais de 250 postos de trabalho nas etapas seguintes. Estima-se ainda a criação de 800 postos de trabalho indirectos.

No âmbito da prospecção e pesquisa, a

MTI investiu, nas áreas técnicas definidas nas cláusulas do contrato com o Estado, um total de 2.064.515,00 €, de despesa certificada, apesar de apenas estar contratualmente obrigada a um investimento 900.000 €. Considerando que o total de despesas inclui investimentos que ultrapassavam o clausulado contratual, nomeadamente serviços internacionais e despesas correntes, o investimento total da MTI naquela fase dos trabalhos ascendeu a 3.600.000 €.

Para a execução e o desenvolvimento dos trabalhos de prospecção, pesquisa, investigação e desenvolvimento

tecnológico, durante a fase de Prospecção e Pesquisa, a MTI recorreu a serviços e consultorias nacionais e internacionais de referência, com destaque para o Instituto Superior Técnico de Lisboa, o LNEG, Laboratório Nacional de Energia e Geologia, o CETEC – Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais, Brasil, a Saint Barbara, Market Studies, no Reino Unido, a IMC, Mining Engineering, Alemanha, a Intelgec, Consultores de Geociências, SA, Portugal, a PEC, Engenharia e Consultoria Lda, Belo Horizonte, Brasil e a SGA, Studien Gefellfchaft fur Eisenerz-Ausbereitung, GmbH&co.kg, Alemanha.

CONCESSÃO DA MTI

A concessão da MTI situa-se entre Torre de Moncorvo e Carviçais, mais precisamente na Serra do Reboredo e Cabeço da Mua. As altitudes, nesta região muito acidentada, variam entre os 915m no Reboredo e os 350m nas proximidades de Torre de Moncorvo. A rede hidrográfica é exclusiva da bacia do Douro, ocorrendo sobretudo linhas de água sem caudal permanente, com expressão torrencial.

O Jazigo de Ferro de Moncorvo é considerado um jazigo de origem sedimentar. Apresenta afinidades, quer com os jazigos de ferro Pré-câmbricos do tipo Itabirito, (também designados por banded iron formation - BIF), quer com os jazigos Fanerozóicos de ferro oolítico. A componente detrítica é mais significativa e representada no jazigo, embora se possam verificar ocorrências de ferro oolítico.

Os níveis com a mineralização em ferro correspondem a concentrações diagenéticas estratiformes no topo da Formação Quartzítica, com afinidade de fácies com o “Quartzito Armoricano”.